quarta-feira, 22 de abril de 2015

Acordo com agricultor não foi cumprido pela prefeitura de Uruará e desvio pode ser fechado no travessão 165 sul

Acordo com agricultor não foi cumprido pela prefeitura de Uruará e desvio pode ser fechado no travessão 165 sul
Nesta quarta feira, 22, completaram 37 dias que a ponte sobre o Rio Uruará desabou no travessão do km 165 sul, zona rural do município de Uruará e até o momento as obras de construção de uma nova ponte ainda não foram iniciadas, persistindo assim o drama e o sofrimento dos agricultores de cinco travessões que trafegam pela referida estrada vicinal. Após a queda da ponte um acordo havia sido fechado entre a prefeitura do município, através do prefeito, e o morador da vicinal do km 170 Sul, Cícero Luiz de Araújo, para que pudesse ser liberada a passagem no meio de sua propriedade como um desvio a ser utilizado pelos agricultores, mas esse acordo não foi cumprido pela prefeitura.
                                         Cícero Luiz de Araújo
Devido o não cumprimento do acordo, na manhã desta terça-feira, 21 de abril, Cícero Araújo fechou o desviou e explicou o que aconteceu. “Nosso acordo era de que eles abrissem melhor o desvio e colocasse piçarra nos pontos críticos, e infelizmente o prefeito não cumpriu o acordo. Já faz um mês e até agora nenhum serviço foi feito. Minha preocupação é de que o acordo, firmado em 90 dias para conclusão da ponte, não seja cumprido, pois até agora nem as madeiras foram tiradas”, disse. A princípio, Cícero, que mora a 38 anos naquela vicinal, cobrou uma taxa de passagem, pois, não tinha interesse de absorver o fluxo da região em sua propriedade por conta da preservação dos seus animais e plantações, e disse que liberou a passagem por causa da necessidade das famílias das vicinais dos km 147, 150, 155, 160 e 165 todas do lado sul, que estavam isoladas sem poder ter acesso a Transamazônica e a sede do município. Cícero pede ainda que as pessoas que passarem por sua propriedade, respeite seus pertences, fechando as cancelas e não peguem seus plantios. “Eu liberei a passagem na minha propriedade não foi por causa do prefeito ou vereador. Liberei por causa das famílias destas vicinais. E gostaria que as pessoas que passassem por aqui, respeitassem meus animais, minhas frutas e fechassem a cancela”, pediu. A ponte caiu na tarde do domingo, do dia 15 de março de 2015. Em estado crítico, não suportou o peso de um caminhão madeireiro carregado e acabou caindo levando o caminhão junto para dentro do rio. O motorista do caminhão teve ferimentos leves.

Agricultor encontra munições utilizadas por assaltantes do banco da Amazônia de Placas

Agricultor encontra munições utilizadas por assaltantes do banco da Amazônia de Placas
Foi apresentada na Delegacia de Polícia Civil de Uruará na última semana uma bolsa contendo munições, carregadores de metralhadoras 9mm e uma touca que eram utilizadas pelos assaltantes do Banco da Amazônia da cidade de Placas ocorrido  na manhã do dia 12 de março de 2015. A bolsa foi encontrada por um agricultor no km 150 da Transamazônica, zona rural do município de Uruará, e estava abandonada no mato próximo a um campo de futebol da comunidade. Dentro da bolsa havia 18 cartuchos calibre 12 e 24 munições calibre 9mm, dois carregadores de metralhadora 9mm e uma touca preta. Segundo o delegado Walison Damasceno “as munições e carregadores serão apresentados a justiça e o novo fato será anexado ao inquérito policial que trata da prisão dos assaltantes”, ocorrida no município de Uruará. 

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Estado do Pará é condenado em ação que pede Defensores Públicos para a Comarca de Uruará

Estado do Pará é condenado em ação que pede Defensores Públicos para a Comarca de Uruará
A Defensoria Pública do Estado e subsidiariamente o Estado do Pará, foram condenados a nomear dois Defensores Públicos para a Comarca de Uruará, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00, sendo que a determinação da sentença tem aplicação imediata, carecendo somente a intimação dos requeridos.
A ação foi movida em 2009 pelo Ministério Público do Estado, naquela época representado pela Promotora Ely Soraia Silva Cezar.
No curso do processo, o Estado nomeou o Defensor Marcos Antônio dos Santos Vieira, o que fez com que a ação perdesse por um momento o ímpeto, no entanto, com a transferência do referido Defensor para a Comarca de Itaituba em 2013, a defensoria ficou novamente sem representante na Comarca de Uruará ensejando a sentença desfavorável ao Estado.
Com a sentença espera-se que o Estado tome providências na nomeação de representantes da Defensoria Pública, o que beneficiará mais de noventa mil pessoas, que é a população aproximada dos municípios de Placas e Uruará juntos, municípios estes que fazem parte da Comarca.
Na ação o MPE argumentou que “a Comarca de Uruará que abrange os municípios de Uruará e Placas encontra-se sem Defensor Público há meses”.
Na sua decisão o Juiz de Direito Titular da Comarca de Uruará, Vinícius de Amorim Pedrassoli, disse que “é o dever do estado do Pará em prestar a assistência jurídica aos necessitados mediante implementação da Defensoria Pública na Comarca de Uruará”.
Ainda de acordo com a sentença fica autorizada a nomeação de advogado dativo, com direito a honorários advocatícios arbitrados pelo Juiz da causa e pagos pelo Estado.
Foi deferida pelo magistrado a Tutela Antecipada para que a decisão tenha aplicabilidade imediata.

terça-feira, 14 de abril de 2015

Atoleiros na Transamazônica atrasa julgamento no Tribunal do Júri em Uruará

Atoleiros na Transamazônica atrasa julgamento no Tribunal do Júri em Uruará
Por Joabe Reis
Atoleiros na Transamazônica atrasa julgamento no Tribunal do Júri em Uruará
O sofrimento continua e o drama se repete. Trafegar pela Transamazônica nunca foi tarefa fácil, principalmente no período do inverno amazônico. Nesse ano de 2015, no trecho da rodovia federal (BR 230) entre as cidades de Uruará e Placas os vários atoleiros se formam toda vez que chove.
Nesta terça-feira, 14, mais de 100 veículos, entre caminhões, carros pequenos e ônibus, ficaram impedidos de seguirem viagem devido a atoleiros formados no km 205, 206, 209, entre outros pontos críticos, no trecho de apenas 60 km de estrada de chão, Uruará/Placas, caminhões carregados atravessaram na estrada impedindo a passagem de outros carros. Tratores de peneu, particulares, ajudam os caminhões a saírem dos atoleiros, sendo cobrada uma taxa entre 50 a 100 reais por puxada. 
A situação aqui é muito precária, desde ontem (segunda-feira, 13) meio-dia que a gente está aqui. Esse governo nosso aí não faz nada, os representantes do governo precisam vir aqui pra ver a situação porque é sofrimento pra gente, a população dessa região do Pará precisa dessa estrada, eles têm que melhorar isso aqui. Eu já paguei 50 e até 100 reais para um trator me puxar nos atoleiros, a gente precisa tirar do próprio bolso e muitas vezes sai de um atoleiro e cai em outro”, disse o caminhoneiro, José Antônio, que saiu de Santarém com destino a Altamira.
O problema das péssimas condições da BR 230 chegou a afetar um julgamento que estava previsto para ter início às 9 horas da manhã desta terça-feira no Tribunal do Júri do Fórum de Uruará, só teve início às 15 horas, sendo o réu da cidade de Placas.
O juiz titular da Comarca de Uruará, Vinícius de Amorim Pedrassoli, demonstrou indignação com a situação da Transamazônica e cobrou atitude dos órgãos responsáveis. “A gente está atendendo durante essa semana ao chamado do Conselho Nacional de Justiça que estabeleceu a Semana Nacional do Júri, nós designamos Júri para todos os dias dessa semana e hoje nós iríamos começar os trabalhos às 9 horas da manhã e só vamos começar os trabalhos às 15 horas justamente porque o réu e as testemunhas são moradores do município de Placas e estavam tentando chegar hoje aqui na cidade de Uruará. Fica aqui o nosso descontentamento, a nossa insatisfação, a nossa indignação com essa situação que por conta de uma chuvinha que caiu o trânsito fica prejudicado, todos sabem que há muitos dias tem vários trechos entre Uruará e Placas que tem atoleiros, trechos praticamente interditados e com o trânsito extremamente difícil e a gente não consegue ver uma atitude dos órgãos federais que são responsáveis, o Dnit, das empresas que tem licitação para dar manutenção e construção da estrada e parece que está todo mundo fazendo vistas grossas e a população está sofrendo, hoje além do sofrimento do povo teve um sério prejuízo para os trabalhos do judiciário, quase tivemos que cancelar o julgamento, fica a nossa indignação com os órgãos federais que não estão dando a menor atenção para essa população tão sofrida”, asseverou o meritíssimo.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Buracos em avenida causam acidente fatal em Uruará

Buracos em avenida causam acidente fatal em Uruará

Por Joabe Reis

Buracos em avenida causam acidente fatal em Uruará
Por volta de 1 hora desta sexta-feira, 10, um acidente de motocicleta vitimou um jovem uruaraense. O acidente aconteceu na Avenida Nelson Lauer no Bairro Vila Brasil, bairro nobre da zona norte da cidade de Uruará, e teve como vítima fatal o jovem, Edson Junior Caetano de Barros, 21 anos. O jovem retornava para sua casa quando perdeu o controle da motocicleta que ele conduzia ao passar pelos enormes buracos cheios de lama existentes no meio da Avenida, ao cair com a motocicleta Edson acabou fraturando o pescoço e morrendo na hora.
 Edson Junior Caetano de Barros 
No local do acidente carros já ficam atolados e outros acidentes podem ocorrer caso não seja tomadas as devidas providências por parte da administração municipal, quantas mortes mais precisaram acontecer para que os buracos sejam tampados?
 Nossas condolências a família do Jovem Edson de Barros.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Governo Simão Jatene prejudica educação do estado e Professores aderem a greve da categoria no município de Uruará

Governo Simão Jatene prejudica educação do estado e Professores do aderem a greve da categoria no município de Uruará
Falando em nome dos professores da rede estadual de ensino que lecionam na Escola de Ensino Médio Melvin Jones em Uruará, a Professora Katiane, disse que os professores do município aderiram oficialmente a greve da categoria nesta segunda-feira, 06, após a retirada de carga horária.
Nós aderimos ao estado de greve aqui no município de Uruará desde quarta-feira, a noite quando houve uma reunião com os professores depois de termos a confirmação da retirada da carga horária da maioria dos professores aqui da Escola Melvin Jones, como em todo o estado, reduzindo pra 150 horas em sala de aula com 25% de hora/atividade que vai fechar as 200 horas de aula para cada servidor. Todos os concursados estão aderindo a greve e os contratados ficam inviabilizados de dar aula. O número de professores que nós temos aqui em Uruará é insuficiente pra cobrir o total de carga horária que nós temos na escola, com o corte da carga horária várias turmas ficaram sem professor, que é o caso por exemplo dos terceiros anos. Por isso alguns professores estavam com carga horária acima das 200 horas porque o governo não envia professores para cá para o nosso município. A greve é por tempo indeterminado”, disse a professora.
 Mais uma vez ações do governo Simão Jatene prejudicam centenas de alunos do município de Uruará, bem como ao alunado de todo o estado.

sábado, 4 de abril de 2015

Ônibus da empresa Ouro e Prata tomba na Transamazônica próximo a cidade de Placas

Ônibus da empresa Ouro e Prata tomba na Transamazônica próximo a cidade de Placas deixando vários feridos
Por volta das 11 horas da manhã deste sábado um ônibus da empresa Ouro e Prata da Lina Santarém Altamira acabou tombando na Transamazônica a 10 km da cidade de Placas quando seguia em direção a cidade de Uruará. O motorista perdeu o controle da direção e o ônibus saiu da pista e tombou na margem da rodovia. No acidente vários passageiros ficaram feridos e foram levados para o hospital da cidade de Placas.
 Estamos apurando mais informações.

Polícia Civil de Uruará Prende assassino de ex-vereadora Maria Bincanardi do município de Brasil Novo

Polícia Civil de Uruará Prende assassino de ex-vereadora Maria Bincanardi do município de Brasil Novo
Assassino Francisco Josué da Silva Rodrigues entre os policiais Sílvio Alex e Célio Salvador
Foi preso nesta sexta-feira, 03, na cidade de Santarém o nacional, Francisco Josué da Silva Rodrigues, morador da cidade de Uruará, autor do assassinato da ex-vereadora do município de Brasil Novo, Maria José Bincanardi, crime ocorrido no dia 13 de março de 2015. Francisco foi preso por policiais lotados na delegacia de Polícia Civil de Uruará, investigador Sílvio Alex e investigador Célio Salvador, sob o comando do delegado Walison Damasceno, os policiais se deslocaram até a cidade de Santarém onde com o apoio da polícia civil local sob o comando do delegado Sílvio Birro e do policial federal Nilton, conseguiram localizar e prender o assassino.
Francisco José foi conduzido para a delegacia de Polícia Civil de Uruará na manhã deste sábado, 04, onde foi ouvido pelo delegado da cidade de Brasil Novo, Mário Gonçalves Sastre Junior, e o delegado Walison Damasceno da cidade de Uruará.
Na delegacia Francisco deu detalhes de como cometeu o crime. “Eu matei, dei três tiros, fui contratado e eu receberia R$ 8 mil, mas recebi só R$ 3 mil e o resto eu receberia depois. Eu nasci em Porto de Moz e estava morando aqui em Uruará, depois de fazer o serviço eu fui para Santarém. Estou arrependido”, detalhou o criminoso.
O IPC Sílvio Alex contou como conseguiram efetuar a prisão do assassino. “Após o nosso apoio ser solicitado pela polícia de Brasil Novo nós começamos a colher informações e há três dias nós tivemos a confirmação que o acusado estaria em Santarém, nós montamos uma operação e contando com o apoio dos policiais de Santarém, onde passamos três dias até localizar o elemento que estava trabalhando lá como se nada tivesse feito em Brasil Novo. Por volta das 3 horas da tarde desta sexta-feira conseguimos efetuar a prisão dele enquanto ele estava pregando outdoor na cidade e de imediato ele foi recambiada aqui para Uruará”, disse Sílvio.
Após ser ouvido na delegacia de polícia civil de Uruará o preso será recambiado para o presídio de Altamira.
Com a prisão de Francisco a polícia deve chegar ao mandante do crime e demais envolvidos.
O crime – Na noite do dia 13 de março de 2015 Maria José Bincanardi foi assassinada a tiros na noite dentro da casa da mãe, em Brasil Novo. Segundo a polícia, três suspeitos teriam descido de um veículo e a confundido com a irmã, por quem estariam procurando, efetuando os disparos. Atualmente Maria José era titular da Secretaria de Promoção Social de Brasil Novo. 

terça-feira, 31 de março de 2015

Casal cai em golpe do ouro falso em Uruará

Casal cai em golpe do ouro falso em Uruará
Um casal dono de restaurante na cidade de Uruará caiu em um golpe bem elaborado no início desta semana, o golpe do ouro falso. A vítima, Valdineide Silva de Almeida, contou como ela e o marido sofreram o golpe. “Tinha um homem hospedado no hotel aqui do lado do nosso restaurante, ele almoça, jantava e tomava café da manhã aqui, conversava com a gente e a gente pensava que era uma pessoa de alto nível. Ele chegava e jogava os pacotes de dinheiro e dizia: Eu sou o homem do dinheiro. Ele dizia que era vendedor de ouro, aí o meu esposo estava com uma moto broz 125 pra vender e o homem perguntou se ele não queria negociar em ouro, no primeiro momento o meu esposo disse que só se interessava no dinheiro, então ele disse que iria retirar o dinheiro no banco. O meu marido ficou esperando e ele só apareceu umas 9 horas da noite dizendo que não tinha conseguido tirar o dinheiro e chamou meu marido para negociar, meu esposo falou pra ele que dava em 35 gramas de ouro e ele concordou. Ele trouxe a balança, colocou sobre a mesa aqui e pesou o ouro e o meu esposo passou o documento da moto pra ele e não pegou nenhum papel como recibo, na mesma da hora ele foi ao hotel, pediu a conta e desapareceu. No outro dia a gente foi vender o ouro, e quando chegamos lá na loja não era ouro, era só latão. Acabamos ficando no prejuízo”, relatou.
Ainda segundo relatou Valdineide, o homem tem idade entre 45 e 50 anos, é branco e ele já veio cerca de quatro vezes aqui na cidade, sempre usando uma calça jeans e uma camisa preta, no hotel ele dava o nome de Paulo, mas para o pessoal do restaurante ele dizia se chamar João do Ouro. Ele já teria aplicado o mesmo golpe no município de Senador José Porfírio. Ele anda com muitas unidades de celulares vendendo. A dona do restaurante registrou um boletim de ocorrência na delegacia de polícia civil referente ao golpe. Fique atento se você ver um cidadão com essas características citadas anteriormente, comunique imediatamente a polícia, não seja mais uma vítima do golpista.

Polícia Militar monta operação preventiva contra assalto as agências bancária no município de Uruará

Polícia Militar monta operação preventiva contra assalto as agências bancária no município de Uruará
Por Joabe Reis
Polícia Militar monta operação preventiva contra assalto as agências bancária no município de Uruará
Assalto a agências bancárias na cidade de Uruará e cidades da região tem ocorrido com freqüência nos últimos anos, o que levou a Polícia Militar do município a montar uma operação policial preventiva contra os assaltos.
O major PM Márcio Abud, comandante da 13ª Companhia Independente de Polícia Militar de Uruará, disse que com a operação espera-se evitar a ocorrências de assaltos já que os policiais já ficam a espera dos bandidos em frente as agências bancárias. “Os assaltos que houveram recentemente, 2013/2014, foram muito fáceis, então agora a polícia militar ficará na frente dos bancos. Porque os bandidos terão que descer do veículo para fazer o assalto e aí irão nos encontrar bem na frente, aí ou é eles ou é a gente, pois quando o assaltante pega um refém acabou a polícia, jamais a gente pode atirar se tiver refém, então eles tem que entrar pela frente do banco e nós estaremos na frente dos bancos a partir de agora. A gente vai evitar que eles peguem refém, é chumbo grosso”, frisou Abud.
A cidade de Uruará já conta com 4 agências bancárias.

quinta-feira, 26 de março de 2015

“Hoje não tem nenhuma ação contra a Prefeitura”, diz Pedrassoli, juiz titular da Comarca de Uruará

“Hoje não tem nenhuma ação contra a Prefeitura”, diz Pedrassoli, juiz titular da Comarca de Uruará
Juiz de Direito Titular da Comarca de Uruará, Vinícius de Amorim Pedrassoli
Várias reclamações referentes à administração pública de Uruará são questionadas diariamente pela população, algumas até encaminhadas ao Ministério Público do Município, entre elas a falta de recuperação das ruas e vicinais, a falta de iluminação pública, falta de coleta de lixo, falta de atendimento na saúde, entre outras. O Juiz de Direito Titular da Comarca de Uruará, Vinícius de Amorim Pedrassoli, falou com exclusividade ao Jornal O Regional da Rádio Regional 91.3 FM de Uruará nesta semana, sobre estas questões.
Segundo o juiz Vinícius Pedrassoli, hoje não existe nenhuma ação no Poder Judiciário, contra a administração municipal. “Às vezes as pessoas não entendem a função de cada ente. Enquanto cidadão, que mora aqui na cidade, vejo os problemas como qualquer outro cidadão. Agora, para o Poder Judiciário tomar qualquer medida específica sobre qualquer assunto, isto é, falta de iluminação pública, recuperação das ruas, ou outra coisa, eu preciso de uma ação. É importante colocar, que a função do Juiz é julgar fatos quando tem um processo específico e hoje não tem nenhuma ação de improbidade administrativa contra o prefeito Banha, ou contra a Prefeitura. Nenhuma ação determinando nada sobre obras, lixo, água, saúde, ou outra coisa. Temos aqui apenas uma ação sobre a educação, dada entrada pela própria Prefeitura. Então, não temos nenhum processo pendente de julgamento contra o atual prefeito, ou a atual administração”, disse.
O Juiz esclareceu que para julgar qualquer assunto o Judiciário deve ser impulsionado. “Se o judiciário não for impulsionado, ele não pode decidir. É preciso que uma associação, ou o Ministério Público ingresse com uma ação sobre aquele assunto para o Juiz decidir. Eu estou fazendo a minha função. E não tem nenhuma ação. A população tem que vir fazer a denúncia no Ministério Público, se organizar, procurar a Câmara de Vereadores, enfim, este é o caminho”, esclareceu.
Vinícius Pedrassoli disse ainda, que a Câmara de Vereadores tem a função de fazer as leis municipais e o Executivo cumprir. A Câmara de Vereadores são os representantes do Povo. “Qual a função do vereador? Ver onde será aplicado o orçamento do ano seguinte. Os vereadores é que determinam o valor de recursos para que a Prefeitura invista na cidade. Os vereadores é que aprovam que valor X será para fazer as obras das ruas da cidade. Ou que seja revertido para a iluminação pública. É a Câmara de Vereadores que determina. O prefeito deveria cumprir o que a Câmara determinar. Esta é a função do vereador. Muitas vezes o vereador não tem consciência que ele tem este poder. É ele que tem que dizer que a Prefeitura tem que gastar tanto com luz, tanto com recuperação de rua, tanto com saúde, porque é ele que aprova isso. Ele que aprova o valor dos recursos para o ano seguinte, eles é quem dizem como devem ser gastos! São eles que fiscalizam este gasto. Então a população pode e deve cobrar dos vereadores, onde e como a prefeitura, o prefeito, está gastando o dinheiro público. A população tem que se reunir e denunciar ao Ministério Público, cobrar dos vereadores. Digo que se houver alguma ação, aí o Poder Judiciário, o Juiz, vai avaliar se está certo ou errado, e, lógico dando o direito de defesa”, esclareceu.
Segundo o Meritíssimo, hoje não tem nenhuma ação impetrada no Poder Judiciário. “Não tem nenhuma ação nesta Comarca que tenha sido ingressada, seja de improbidade administrativa, seja de obrigação de fazer, contra a Prefeitura, pendente de julgamento. Portanto, a culpa não é do Judiciário. Não há que se falar que exista conluio, complacência, ou que exista parceria, ou amizade do Poder Judiciário com a Administração Municipal. A gente julga processos quando são apresentados neste Poder Judiciário, se não tiver nenhum processo, a gente não pode estar julgando, por mais que a situação esteja me incomodando como cidadão”, explicou.
O Juiz Vinícius de Amorim Pedrassoli, está respondendo como Titular da Comarca de Uruará, desde junho do ano de 2011.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Sem ponte para atravessar Rio agricultores utilizam jangada motorizada na zona rural de Uruará

Sem ponte para atravessar Rio agricultores utilizam jangada motorizada na zona rural de UruaráDesde o dia 15 de março de 2015 quando a ponte sobre o Rio Uruará desabou no travessão do km 165 sul, zona rural de Uruará, os moradores das vicinais dos quilômetros: 165, 160, 155, 150 e 147 todas do lado sul da Transamazônica, vem enfrentando grandes dificuldades para terem acesso a BR ou a sede do município.
 Para poderem atravessar o Rio, que tem uma largura e profundidade considerável, os agricultores precisam utilizar uma jangada motorizada feita rusticamente de madeira e ainda pagam entre 4 e 10 reais para atravessarem. Ainda não há previsão de quando a ponte será refeita e estará pronta para ser utilizada, uma obra que pode demorar cerca de 6 meses para ser concluída que ainda não foi iniciada, apesar da urgência.
 São centenas de famílias que estão quase isoladas e impedidas de escoar a produção de suas propriedades.
As imagens dizem mais que as palavras.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Operação conjunta da Polícia Civil e Polícia Militar de Uruará prende integrantes da quadrilha de assalto a banco

Operação conjunta da Polícia Civil e Polícia Militar de Uruará prende integrantes da quadrilha que assaltou a agência do Banco da Amazônia de Placas
Por Joabe Reis

Operação conjunta da Polícia Civil e Polícia Militar de Uruará prende integrantes da quadrilha que assaltou a agência do Banco da Amazônia de Placas
Três integrantes da quadrilha que assaltou a agência do Banco da Amazônia da cidade de Placas foram presos nesta sexta-feira, 20, no município de Uruará. A prisão foi efetuada pelos Investigadores de Polícia Civil, Sílvio Alex e Célio Salvador sob o comando do delegado Walison Damasceno, lotados na Delegacia de Polícia Civil do município de Uruará com o apoio da Polícia Militar sob o comando do major PM Márcio Abud e da Rotam. Segundo informou o investigador Sílvio Alex os assaltantes estavam em um carro saveiro e duas motocicletas broz, houve troca de tiros dos policiais com os assaltantes na rodovia Transamazônica (BR 230), próximo ao Distrito Alvorada, km 140 na zona rural de Uruará, após a troca de tiros os bandidos embrenharam-se na mata, os policiais civis contando com o reforço de policiais militares entraram em perseguição e durante a madrugada prenderam o meliante, Fernando Matos, 22, mecânico na cidade de Altamira, que dirigia o saveiro dando fuga aos assaltantes, segundo o próprio meliante ele é da cidade de Altamira como são todos os demais integrantes da quadrilha. Os policiais permaneceram no encalço dos bandidos e já na manhã desta sexta-feira, por volta das 11 horas, os policiais civis e militares e Rotam lograram êxito na missão conseguindo capturar mais dois integrantes da quadrilha do assalto ao banco de Placas, foram presos também, Weliton Almeida Costa, 31 anos, que disse ser ajudante de pedreiro na cidade de Altamira e Cleisson Silva Duarte, 24 anos. Com os meliantes foram apreendidas armas de grosso calibre utilizadas no assalto, 3 espingardas calibre 12 de repetição, 1 metralhadora 9mm e 1 fuzil para fal calibre 762. Outros dois integrantes da quadrilha que estavam em duas motocicletas bor’z conseguiram fugir pela Transamazônica e em seguida entrando num travessão sendo o paradeiro deles ainda desconhecido.
 Equipe de policiais que realizaram as prisões
Os três presos foram conduzidos para a delegacia de Polícia Civil de Uruará para serem submetidos aos procedimentos cabíveis. Na Depol o meliante Fernando contou que receberia uma quantia de R$ 20.000,00 para vir buscar os assaltantes em Uruará. O meliante Weliton relatou a reportagem que um malote com o restante do dinheiro roubado ficou para trás no meio do mato, fato não confirmado pela polícia, o mesmo ainda confessou que era responsável pelas armas, o assaltante não quis informar sobre quem é o chefe da quadrilha nem como conseguiram as armas.
 Armas apreendidas
As armas foram encontradas enterradas no meio da mata. Os dois assaltantes presos na manhã desta sexta-feira estavam pedindo carona no km 150 da Transamazônica comunidade chamada Vila Planalto, zona rural do município de Uruará, eles estavam se passando por colono na localidade quando foram presos.
 Assaltantes presos: Weliton, Cleisson e Fernando
Participaram da operação que resultou na prisão dos assaltantes os policiais civis IPC Sílvio Alex e IPC Célio Salvador, sob o comando do delegado Walison Damasceno, os policiais militares, sargento PM Rita Costa, soldados, PM Wagner, PM Josiney, PM Campinas, PM Bentes, sob o comando do major PM Márcio Abud, os policiais sargento Robson, cabo André, soldado Bastos e soldado Iglesias da Rotam.
Veículo usado para a fuga que seria alugado na cidade de Altamira e está apreendido
Os três presos estão recolhidos na carceragem da delegacia de Polícia Civil de Uruará.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Escolas funcionando em taperas no município de Uruará refletem o valor que a educação recebe do governo

Escolas funcionando em taperas no município de Uruará refletem o valor que a educação recebe do governo
Por Joabe Reis
Escolas funcionando em taperas no município de Uruará refletem o valor que a educação recebe do governo
A desvalorização que os profissionais da educação têm sofrido com cortes salariais nos últimos meses também é sofrida pelas escolas das comunidades na zona rural do município de Uruará, sudoeste paraense. São taperas de palha de palmeiras ou pequenas casas rústicas de madeira os prédios utilizados como salas de aula onde dezenas de alunos têm que sentar em bancos improvisados e os professores são obrigados a escrever em quadros negros que deveriam estar no lixo. A água para as crianças beberem é colocada em potes alojados sobre cadeiras de madeira. A merenda escolar não existe.
 Escola Cecília Meireles
Como é o caso da Escola Cecília Meireles km 180 sul a 32 quilômetros do centro urbano, o prédio é uma tapera de palha de babaçu, onde funciona o Prointer atendendo a 15 alunos e ao lado desta escola funciona o Mais Educação que poderia ser chamado de menos educação.
 Escola Jacinta Maria da Conceição
Na Escola Jacinta Maria da Conceição km 200 norte a 76 quilômetros do centro urbano as paredes são de ripa de madeira refugada e as cadeiras duras de madeira carentes de substituição onde as crianças têm que sentar para assistir as aulas, condições semelhantes a da Escola Marechal Rondon também no km 200 norte na Comunidade Santa Fé, onde o quadro negro usado pelo professor é uma afronta a educação e ao educador.
 
 Escola Marechal Rondon
Alô governantes e parlamentares, a Educação merece mais atenção e total empenho, do contrário como será as nossas gerações futuras? O que está sendo feito com os recursos da educação?
Falta vergonha na cara da administração municipal para poder mudar essa deplorável e inadmissível realidade.
 
 Quadro negro usado pelo professor
Nesta quinta-feira, 19, centenas de profissionais da educação foram as ruas no estado do Pará protestar contra o governo do estado que tem abandonado a educação enquanto gasta centenas de milhares de reais com propagandas que não condizem com a realidade do estado.
 Locais onde são armazenada a água que as crianças têm que beber
 As imagens dizem mais que as palavras.

quinta-feira, 12 de março de 2015

Em 8 meses Banco da Amazônia de Placas é assaltado pela segunda vez

Em 8 meses Banco da Amazônia de Placas é assaltado pela segunda vez

Por Joabe Reis
Em 8 meses Banco da Amazônia de Placas é assaltado pela segunda vez
Na manhã desta quinta-feira, 12, bandidos fortemente armados assaltaram a Agência do Banco da Amazônia na cidade de Placas, sudoeste do Pará, na Transamazônica. O assalto ocorre 8 meses depois de ter acontecido o assalto a mesma agência no mês de julho de 2014.
O bando de posse de armas de fogo de grosso calibre chagou na cidade atirando e espalhando o terror na população.
A população ficou assustada com a ação dos bandidos. A populção que já está indignada com a falta de dinheiro nos caixas do banco.
Durante o assalto os bandidos, todos encapuzados, firam um escudo humano em frente a agência. 
Cartuchos deflagrados usados pelos assaltantes 
Um trator foi colocado sobre uma ponte na saída da cidade em direção da cidade de Rurópolis obstruindo a passagem o que obrigou os bandidos a mudarem a rota de fuga tomando a direção da cidade de Uruará utilizando como veículo de fuga uma hilux prata roubada.
Momento da fuga registrado por populares 
Os bandidos fizeram vários reféns durante a fuga, entre os reféns o ex-prefeito do município de Placas Maxuel Brandão a quem pertence a caminhonete roubada usada na fuga.
Ainda não se sabe a quantia roubada no assalto.
Todos os reféns foram liberados horas depois, exceto um dos vigias da agência bancária. 
Durante a troca de tiros com a polícia um dos assaltantes foi baleado e levado para o hospital da cidade de Placas. Os bandidos saíram da Transamazônica e entraram no travessão 235. 
 Assaltante preso com identificação ainda desconhecida pela reportagem 
Os assaltos a banco na região já virou rotina e o pior de tudo isto é que os órgãos de segurança pública não fazem um esforço maior nem usam da sua capacidade total para coibir essa prática e prender os assaltantes, já que há vários anos vem ocorrendo assaltos com o mesmo modo operante dos bandidos e ninguém foi preso até hoje.